Notícias

25 Novembro e 16 dias de ativismo contra a violência de género

Nações Unidas, Praia 25 de Novembro 2014 - “ Nesse dia tão importante, em nome das Nações Unidas em Cabo Verde, quero expressar a nossa preocupação e a nossa solidariedade com a população da Ilha de Fogo, que agora está a passar momentos muitos difíceis”. Assim iniciava a Coordenadora Residente do Sistema das Nações Unidas em Cabo Verde, Ulrika Richardson, a sua intervenção no acto central de celebração do Dia Internacional para a Eliminação da Violência contra as mulheres, face à situação da erupção do vulcão da ilha do Fogo.

“O combate da discriminação e da violência tem que ser um combate contra todo tipo de discriminação e violência; os maus tratos continuados, a violência verbal, física ou sexual, a exploração sexual forçada e as injustiças sociais e económicas. E sim, um desenvolvimento sustentável não pode acontecer sem a participação igualitária da mulher na sociedade, na economia e na tomada de decisão” realçou ainda Ulrika Richardson.

Este ano, o Dia Internacional para a Eliminação da Violência contra as mulheres, que marca ao mesmo tempo o início dos 16 Dias de Ativismo contra a Violência de Género  que termina no dia  10 de Dezembro - o Dia Internacional dos Direitos Humanos, coincide com o lançamento, há quase 20 anos, da Plataforma de Ação de Pequim, e do fim do prazo fixado para atingir os Objetivos de Desenvolvimento do Milénio.  

A iniciativa 16 Dias de Ativismo, tem o objetivo de chamar a atenção pera o fim da violência baseada no género, no contexto mundial.

Em Cabo Verde a atividade central para assinalar este Dia, aconteceu hoje, 25 de Novembro, na Sala de Banquetes da Assembleia Nacional, numa cerimónia presidida pela Ministra-adjunta e da Saúde Cristina Fontes Lima e onde também participou a Primeira-Dama de Cabo Verde, Dra. Lígia Fonseca, para a apresentação das Agendas de Género de Praia e Calheta de São Miguel aos parceiros do desenvolvimento e parceiros nacionais.

Segundo a Ministra-adjunta e da Saúde Cristina Fontes Lima, com o empoderamento e integração da mulher em todas as esferas da sociedade ganha o desenvolvimento e ganha a economia do país “ precisamos de por fim a essa grave violação de direitos humanos das mulheres, assim como necessitamos respeitar a dignidade de cada mulher “ referiu ainda a Ministra.
Enquanto para a Primeira-dama de Cabo Verde Lígia Fonseca “ as mulheres e as meninas continuam a ser vítima de uma violência que causa grande sofrimento. Uma violência que compromete o desenvolvimento geral e gera instabilidade e torna muito mais difícil alcançar a paz social. Por isto é necessário tomar medidas concretas para pôr fim à impunidade, proteger e ajudar as vitimas, assim como também é necessário conhecer a causa desta violência, eliminando a discriminação e alterando as mentalidades que a perpetuam” frisou.

De realçar que a Agenda Comum de Género do Município da Praia e a Agenda Comum de Género do Concelho de São Miguel, são produtos de trabalho que contem ambos um amplo leque de preocupações sobre questões críticas que dizem respeito a igualdade de género nestas duas localidades, sendo desenvolvido por um grupo de mulheres (eleitas ou não) candidatas as eleições autárquicas. Nestas duas Agendas Comum de Género, cuja elaboração contou com o apoio da ONU Mulheres e do Instituto Cabo-verdiano para a Igualdade e Equidade de Género (ICIEG), se destacam ações, propostas e demandas para que a realidade mude em relação à representatividade política da mulher nas esferas de decisão, entre outras.

Share |