Notícias

 

Para a prevenção do virus da febre hemorrágica as Nações Unidas disponibilizam materiais descartáveis de protecção

 

Nações Unidas, Praia, 7 de Abril de 2014 - No âmbito das acções de sensibilização, informação e prevenção sobre o vírus da febre hemorrágica, que tem afectado alguns países vizinhos como a Guiné-Conacri, Libéria e Serra Leoa, e em resposta à solicitação do Governo, através do Ministério da Saúde, Sistema das Nações Unidas em Cabo Verde, disponibilizou às autoridades sanitárias, cerca de 6.350 unidades de materiais descartáveis de protecção.

O acto de entrega deste lote que consiste em óculos, macacão, luvas botas, máscaras e aventais, decorreu na sala de reuniões do Hospital Agostinho Neto, na presença da Ministra de Adjunta e da Saúde, Dra. Cristina Fontes Lima, do Dr. Ambrósio Disadidi, Represente da OMS em Cabo Verde e em Representação da Coordenadora Residente do Sistema das Nações Unidas, de responsáveis e técnicos do Ministério da Sáude e do hospital.

Na cerimónia, o Dr. Ambrósio Disadidí afirmou que “mesmo que não haja nenhum caso registrado no país, as Nações Unidas e o Ministério da Saúde reconhecem a importância de preparar e instruir os profissionais da Saúde para a utilização desses equipamentos em caso de incidência, acrescentando que enquanto não exista risco zero, é preciso reforçar a e intervir na prevenção e preparação dos profissionais.

Para a Ministra Adjunta e da Saúde, Cristina Fontes Lima “trata-se de apenas de uma medida preventiva e que não há razões para alarme”. A ministra sublinhou ainda que prevenção máxima será efectuada nos portos e aeroportos aonde tem varias tripulações que chegam da Costa Ocidental Africana, e que estes devem apresentar declarações às autoridades sanitárias, em casos de gripe, febre alta, vômitos, ou quaisquer outros sintomas que se assemelham ao de Ébola”.

A febre hemorrágica Ébola (FHE) é uma doença infecciosa grave, causada pelo vírus Ébola, identificada pela primeira vez em 1976, na Republica Democrática do Congo (antigo Zaire) perto do rio Ébola, daí o nome. Transmite-se por contacto direto com o sangue, secreções órgãos ou fluidos corporais de pessoas infectadas e ainda não existe tratamento nem vacina para esta doença. A incubação da doença pode levar até vinte e um (21) dias e a mortalidade varia entre 25- 90%, segundo quando indicado pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

De realçar que depois da distruibiçao destes equipamentos de prevenção, a Ministra da Saúde, e o Responsável da OMS em Cabo Verde e em representanção da Coordenadora Residente das Nações Unidas, estiveram no mesmo dia, no aeroporto Nelson Mandela, distribuindo materiais informativos e sensibilizar os viajantes presentes sobre a epidemia.

As autoridades nacionais já criaram uma comissão técnica para investigar um eventual foco da doença no país.